VIAGEM ! relato de Vivian

P1020145.jpg

Em 2011, eu, meu marido e meus dois filhos, na epoca com 2 e 4 anos, realizamos um grande sonho: viver 6 meses viajando pela Australia e Nova Zelandia. Desses 6 meses, 4 foram vividos viajando pela Australia num Motorhome e com certeza foi a experiencia mais fantastica que ja tivemos na nossa vida.
Viajar num motorhome com a familia toda requer certas regras basicas, entre muitos planejamentos temos que organisar a comida que vamos levar, economia de agua para banho etc, roteiro planejado para recarga de bateria e tb pouca mala.
Tinhamos somente 2 malas e cada filho podia levar tb uma pequena mochila com os brinquedos que iriam usar para a viagem todo, o que criou uma experiencia unica com meus filhos, pois as brincadeiras surgiam do nada, de um balde e terra, de folhas secas no chao, de panelas da nossa mini cozinha, do mapa do camping etc, etc, criando com isso uma imaginacao enorme e belissima.
Devagar fomos percebendo que o mais interessante da viagem eramos nos 4 juntos passando por essa experiencia, nao importa para onde voce va, a vivencia em familia foi a experiencia mais fantastica.
A simplicidade da vida morando num motorhome nos mostra como vivemos complicadamente na cidade, cheios de atividades desnecessarias, cheio de brinquedos desnecessarios, brecando o mundo incrivelmente criativos das criancas.
Ate hoje, meus filhos criam brincadeiras do nada e se interessam por coisas muito simples e essa experiencia eles aprenderam nessa viagem.
Agora, a familia cresceu e ja estamos planejando a proxima aventura, dessa vez pela America do Sul e agora com mais um pequeno irmao.

P1010679.jpg

Ciúmes - relato de Sandra

Sketch 2013-10-20 23_19_43.png

A Sophia, 9 anos, está com muito ciúme do Iso, irmão dela de 6 anos, andou chorando bastante. Apesar de ter falado muito com ela, ela não conseguia acalmar o coração dela.
 Ontem de noite, eu fiz para ela uma carta, onde falei de muitas de suas qualidades e e que ela não tenha ciúme do irmão, pois o tamanho do meu amor é suficiente para caber os dois da mesma forma e que ela é muito amada.
Ela leu embaixo do cobertor, para não incomodar o irmão que estava pegando no sono.
Enquanto isso fui para meu quarto, 5 minutos depois, ela entra com um sorriso enorme, me dá um abraço apertado e me agradece. Pediu fita adesiva e colou a minha carta na parede ao lado da cama dela. E foi dormir tranquila.
 Ou melhor dizer, dormimos as duas, sem duvida, mais felizes.

GRANDES QUESTÕES - relato de fabiana

curva.jpg

Como mãe sempre me preocupei em como seria e se estaria devidamente preparada para “as grandes questões” que eventualmente, um dia, poderiam ser colocada pelos meus filhos.
 Quando a Gabriela ainda era bebe, uma amiga me contou que o filho dela de 4 anos, tinha perguntado à ela se ela “iria morrer” e que ela, além de ficar assustada e surpresa com a perguntar, ao  pesquisar “ o por quê” da mesma se deu conta que o “culpado” era o Nemo, dado que no filme, logo antes do logo entrar a mãe do Nemo morre...
 Essa conversa me marcou tanto que a Gabi, passou uns 3 anos assistindo ao Nemo “a partir do logo” sem entender porque ele só tinha pai e o motivo do pai ser tão preocupado e estressado com o pobrezinho...
 Nesse meio tempo, a vida nos deu o grande presente que foi o Tomás, veio sem ser planejado, no susto, na surpresa, completamente inesperado, revolucionou e segue revolucionando completamente a nossa vida e a da irmã dele.
 A irmã cresceu, virou o “oráculo” dele, a grande detentora de todas as respostas... Eu fui fazer analise para aprender a lidar com tanta sabedoria e prepotência numa menina de 6 anos... Descobri que o único problema dela é ser muito parecida comigo, e to aqui, agora,  tentando me reinventar para que a vida seja mais fácil e leve pra ela,e  para mim tb!!!
 Enquanto isso, o “seu Tomás”, depois de ter enlouquecido, ensurdecido e levado à exaustão todos nós no sábado, em pleno dia das crianças, no andar debaixo do  beliche de um apartamento alugado na praia, na hora que os quatro, (pai e mãe no andar de cima, ele e Gabi no andar de baixo), já estavam devidamente silenciados e tentando dormir, inicia o seguinte diálogo:
 
Tomás: Mãe?!
Eu: ... que foi, Tomás?!
Tomás: eu não quero morrer!
Eu: tudo bem Tomás, não se preocupa com isso agora, pq ainda vai demorar muito para o seu dia chegar!
Tomás: mas eu não quero morrer nunc!
Pai: Todo mundo morre Tomás! Pq vc ta preocupado com isso agora?!
Tomás: porque eu não gosto de ficar sem fazer nada!
Pai: mas quando a gente morre a gente não fica sem fazer nada a gente deixa de existir...
Gabriela (que a gente achava que já tava dormindo!): É assim Tomás, como uma árvore que pegou fogo, se sobrar um pedaço de  tronco, ele é só um tronco, a árvore já não tá mais lá, já deixou de existir...
 E assim a nossa vida segue, com o Tomás permitindo a entrada das grandes questões de uma forma completamente estapafúrdia;  com a Gabriela, dando respostas que a gente até hoje segue não preparados para dar, e de um jeito muito melhor do que a gente daria se tivesse conseguido elaborar uma boa resposta.  E, finalmente, com a gente, descobrindo que ainda dá para crescer e aprender muito, mesmo com quase quarenta, e que não tem nada mais lindo do que aprender e ver a vida através dos olhos dos nossos filhos..

BANHO - relato de Mariana

Gostaria de contar uma coisa simples e muito eficiente que descobri para conseguir dar banho na Sofia, quando ela chega muito cansada (e suja) da escola.  Enquanto passamos o xampú e o sabonete, vou contando para ela situações que eu vivi na minha infância e me marcaram. Também falo sobre meus antigos amigos e meus brinquedos. Ela adora, presta a maior atenção e quer saber mais detalhes sobre tudo. Sinto que esta troca de experiências nos une e transforma a irritação dela em um momento gostoso do dia.

Read More